A banalização da cirurgia plástica na sociedade

A banalização da cirurgia plástica na sociedade

A banalização da cirurgia plástica é um problema sério na atual sociedade. Essas intervenções exigem muito estudo dos médicos e reflexão dos pacientes, sendo de fato uma ótima escolha em muitos casos. No entanto, é preciso não banalizar a realização desses procedimentos ou ignorar os seus riscos.

De acordo com dados da Sociedade Cirurgia Plástica de 2018, o Brasil é o país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo, tendo as mulheres como principal público, em uma porcentagem de 87%. As cirurgias mais procuradas são de aumento de mamas, lipoaspiração e abdominoplastia.

É preciso evitar a banalização da cirurgia plástica na sociedade.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o Brasil também teve um aumento no número de cirurgias em adolescentes, liderando o ranking mundial. O dado, divulgado em 2019, aponta que houve um aumento de 141% na realização de procedimentos estéticos no público entre 13 e 18 anos.

A falta de informação sobre os riscos desses procedimentos e a pressão estética são apontadas como as principais causas para a banalização da cirurgia plástica. E, no processo de uma busca desenfreada pelo padrão de beleza, muitas pessoas acabam considerando opções mais baratas e profissionais dispostos a fazer operações de risco.  

Há diversos casos de pessoas que acabam se consultando com profissionais que não são credenciados pelos órgãos de medicina, que tendem inclusive a agravar algum problema já existente na queixa original do paciente. Com isso, é comum que o resultado gere ainda mais insatisfação e problemas com a própria imagem.

Como saber se uma cirurgia plástica é necessária ou desnecessária

Antes de fazer uma cirurgia plástica, é preciso refletir e seguir alguns passos para se questionar sobre a real necessidade do procedimento. Primeiro, é muito importante que a pessoa interessada reflita para saber se está tomando uma decisão por impulso ou para seguir uma moda – nesses casos, a cirurgia plástica realmente não é recomendada.

Pessoas que sofrem de condições como depressão ou ansiedade devem refletir ainda mais sobre a necessidade da intervenção, para não serem vítimas dessa banalização. Esses transtornos podem alterar bastante a percepção do paciente sobre o próprio corpo, assim como gerar insatisfação com o resultado final da cirurgia, mesmo que o procedimento tenha sido bem executado.

De um modo geral, é preciso checar todas as questões com médicos especialistas em cirurgia plástica e reservar um certo tempo para tomar a decisão. Conversar com pessoas que já tenham realizado os procedimentos também pode ser uma boa ideia.

Em todo caso, para decidir se uma cirurgia plástica é necessária ou desnecessária, é muito importante conversar com um médico especializado e credenciado pela SBCP e Conselho Regional de Medicina (CRM).

Um médico de confiança e profissional vai te ajudar a avaliar a real necessidade do procedimento, além de indicar exames importantes para o pré-operatório e explicar os efeitos esperados, agindo contra a banalização da cirurgia plástica.

Papel do médico para não ocorrer a banalização da cirurgia plástica na sociedade

Para não contribuir com a banalização da cirurgia plástica, os médicos dessa área devem ajudar a informar os pacientes e conscientizá-los a respeito dos eventuais riscos envolvidos nos procedimentos que eles desejam realizar.

Para fazer isso, é preciso que os médicos estejam dispostos a elucidar todas as dúvidas dos pacientes de forma clara e compreensível. Os profissionais precisam explicar como funciona o procedimento, quais expectativas o indivíduo pode ter em relação ao resultado no próprio corpo e que cuidados precisarão ser tomados.

Também é importante responder a todas as questões referentes à qualificação profissional para realizar o procedimento, experiências anteriores, etapas do pós operatório e honorários, e fazer isso com transparência e sem constrangimentos.

Os médicos também podem oferecer alternativas, quando acharem cabíveis, e sempre ter cuidado para não criar necessidades sem embasamento ou pressionar os pacientes a realizarem procedimentos que não façam sentido.

Posição do Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica sobre a banalização dos procedimentos

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica reforça todas as recomendações citadas anteriormente sobre a conduta dos médicos, e ainda alerta a população sobre a necessidade de questionar e refletir sobre os procedimentos a cada etapa.

Das 630 mil cirurgias realizadas no país por ano, cerca de 73% são estéticas. Por isso, também reforça o papel dos médicos orientarem bem os pacientes, além de recomendarem às pessoas que desejam fazer essas cirurgias que busquem profissionais qualificados e que não prometam “soluções milagrosas”.

Há também o alerta sobre a não existência de subespecialidades dentro da cirurgia plástica, que já é uma especialidade única. Não existe “especialista em cirurgia de mama ou nariz”, como alguns gostam de se intitular, por exemplo. Tampouco são recomendados médicos que trabalhem com intermediação dos serviços médicos, porque a cirurgia não é um produto.

Ressalta-se por fim que, quando bem indicada e realizada, a cirurgia plástica realmente pode beneficiar bastante o paciente. Para isso, porém, é preciso tomar os cuidados listados e rejeitar alternativas mais baratas, mas pouco confiáveis.

Tanto o médico como o paciente possuem um papel importante contra a banalização da cirurgia plástica.

Influência das redes sociais na banalização da cirurgia plástica

As redes sociais são apontadas como uma das principais responsáveis pela banalização da cirurgia plástica. Nesses espaços, as pressões estéticas aumentam com as famosas “selfies”, muitas vezes editadas, que criam padrões inalcançáveis de beleza que fazem com que as pessoas busquem cada vez mais procedimentos.

Cirurgias como lipo LAD ou harmonizações faciais, por exemplo, bombaram na internet após muitas influenciadoras aderirem. De acordo com dados da Dacode, o procedimento de lipo LAD, por exemplo, teve um crescimento de buscas no Google em 680%, em 2020.

Essa alta divulgação por parte de “influencers” fez com que seus seguidores passassem a achar que aquele padrão estético que elas alcançaram fosse algo que praticamente todas as pessoas deveriam buscar. E isso porque nas redes sociais as pessoas ficam mais suscetíveis a comparações, e aí acabam se sentindo mal com a  própria aparência.

Essa cirurgia é indicada para pacientes com pouca oscilação de peso e que têm uma vida super regrada em relação à alimentação e atividade físicas.

Há dados que mostram que 72% dos cirurgiões plásticos tiveram procura de pacientes que queriam “ficar bem em selfies”.

Como evitar a banalização da cirurgia plástica

A banalização da cirurgia plástica deve ser evitada com o acesso à informação de qualidade, que explica sobre os procedimentos sem incentivar, para que o paciente possa decidir de maneira mais calma e crítica se realmente deseja realizá-los. Os médicos têm um papel importante nisso, e devem priorizar a saúde do paciente.

Além disso, é preciso questionar os padrões de beleza estabelecidos nas redes sociais. Muitas vezes, as imagens postadas não são um retrato real dos corpos e, no entanto, as pessoas que seguem essas páginas acreditam fielmente nessas fotos enganosas e tornam-se mais inseguras em relação à própria imagem.

A decisão quanto à cirurgia plástica deve ser feita após reflexão, em idade adequada, com o suporte de diversos profissionais, e apenas quando o indivíduo está ciente de todos os riscos. Dessa maneira, ele pode, de fato, tomar uma decisão que não seja guiada por modismos ou falsas demandas.

Essa é uma forma mais eficiente de reduzir ou evitar a banalização da cirurgia plástica. O assunto deve ser mais discutido pelos profissionais da área, pacientes e mídia. Assim, as pessoas também podem desenvolver essa visão mais realista.

Em todo caso, é preciso buscar médicos qualificados para orientação. Os profissionais credenciados entendem as orientações e os parâmetros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, e vão te orientar da melhor maneira para que você tome uma decisão mais segura e capaz de garantir um ótimo resultado final.