Lipedema: sintomas e tratamento da síndrome gordurosa dolorosa - Dra. Maria Claudia Giometti

Lipedema: sintomas e tratamento da síndrome gordurosa dolorosa

O Lipedema, também chamado de síndrome gordurosa dolorosa, é uma doença crônica com maior incidência nas mulheres. Trata-se de uma disfunção que acarreta um acúmulo desproporcional de gordura na região dos membros inferiores, causando dores fortes, inchaços e hematomas.

Como a doença ainda é pouco conhecida, muitas pessoas que manifestam seus sintomas acreditam que estão com quadros de retenção líquida ou varizes. Pacientes que estão acima do peso também tendem a confundir o quadro de lipedema com obesidade.

O diagnóstico desse problema costuma ser feito pelo médico vascular. Acredita-se que as principais causas da doença sejam genéticas e hormonais. O problema se manifesta de forma bilateral, ou seja, nas duas pernas. É possível notar uma clara assimetria em relação à proporção do corpo e dos membros inferiores.

Nestes casos, o tecido gorduroso se torna mais aparente na região das pernas e dos tornozelos. Essa doença vascular provoca o acúmulo excessivo de gordura nos membros inferiores e pode prejudicar bastante a qualidade de vida dos indivíduos.

Principais sintomas do lipedema

Não existem ainda estudos conclusivos que indiquem as causas exatas do lipedema. A doença é frequentemente relacionada a fatores metabólicos, hormonais, inflamatórios e genéticos. Na maioria dos casos, os principais sintomas são:

Em alguns casos, o acúmulo de gordura ocorre também nos braços. Algumas pacientes notam o início desses sintomas durante a puberdade, na gestação ou na menopausa.

Lipedema exige tratamento específico

O correto diagnóstico do lipedema é o primeiro passo para que seja possível buscar o tratamento adequado e específico para essa condição. Pessoas que apresentam os sintomas relacionados acima devem procurar um médico vascular para uma investigação detalhada do quadro.

No dia a dia, algumas atitudes podem ajudar a amenizar o desconforto causado pela doença, como, por exemplo, o uso de roupas leves e confortáveis, a prática de atividades físicas na água e a manutenção de uma dieta saudável e equilibrada. Não é indicado que pacientes com lipedema usem sapatos com saltos.

Apesar de não estar relacionada com sobrepeso ou obesidade, os sintomas da doença podem se tornar mais brandos quando o paciente consegue atingir uma redução de peso, alcançando um IMC (Índice de Massa Corporal) entre 19 e 25.

Não existem tratamentos medicamentosos para quadros de lipedema. Em geral, os pacientes são orientados a usar meias de compressão e a realizar exercícios físicos regulares como hidroginástica e natação.

Lipoaspiração no tratamento do lipedema

Outro tratamento bastante indicado para quadros de lipedema é a lipoaspiração. O procedimento ajuda a aliviar as dores causadas pela doença.

É fundamental que a cirurgia seja realizada por um cirurgião plástico experiente e que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Na consulta pré-operatória, o médico deve tirar todas as dúvidas do paciente e falar sobre os benefícios e resultados esperados com a realização do procedimento.

Na lipoaspiração, o volume de gordura aspirado é definido pelo cirurgião de acordo com as necessidades do paciente. Além disso, após a cirurgia, o indivíduo também pode iniciar sessões de drenagem linfática.

Não há cura para o lipedema, mas, seguindo as recomendações médicas, é possível que o paciente melhore de forma considerável sua qualidade de vida.

Estágios do lipedema

O lipedema apresenta quatro estágios. Em um primeiro momento, é possível notar um aumento da hipoderme, tecido que está abaixo da derme.

No segundo estágio, o paciente apresenta um acúmulo de tecido gorduroso, deixando a pele bastante irregular. Em seguida, nota-se deformidades nos membros inferiores por causa da presença do tecido adiposo em excesso.

Por fim, no quarto estágio, considerado o mais grave, a pessoa pode desenvolver bloqueios nos vasos linfáticos, aumentando a retenção líquida.

Informações importantes sobre lipedema

A cirurgia de lipoaspiração é uma das indicações mais eficientes no tratamento do lipedema. Após o procedimento, o paciente consegue resultados positivos, já que grande parte das células de gordura é retirada.

No entanto, para que o resultado seja permanente, o paciente precisa mudar seu estilo de vida, fazendo o correto controle do peso corporal, praticando atividades físicas regulares e mantendo uma alimentação saudável.

Após a lipoaspiração também é importante que a pessoa use malhas de compressão e faça drenagem linfática.

Nas consultas pré-operatórias, o médico cirurgião plástico deve solicitar exames como ressonância magnética, ultrassom de doppler venoso, exames de sangue, entre outros.

É essencial ressaltar que a cirurgia de lipoaspiração para lipedema só deve ser feita por um cirurgião plástico competente e com uma prescrição precisa, de acordo com a avaliação do quadro de cada paciente. Buscar o tratamento correto é indispensável para evitar problemas de mobilidade e o comprometimento do sistema linfático.

Em muitos casos, o tratamento da doença precisa ser multidisciplinar, com o apoio de um psicólogo, um fisioterapeuta e um nutricionista após a cirurgia. Dessa forma, fica mais fácil de o paciente conseguir realizar as mudanças de vida necessárias para controlar o lipedema.